A sociedade medieval é constituída por três classes ou ordens, mais ou menos bem delimitadas: clero, nobreza e povo. Originariamente essas classes distinguiam-se pela respectiva função: função religiosa , função guerreira , função trabalhadora . O clero zelava pelo bem estar espiritual e pela salvação dos homens; os nobres defendiam a comunidade das agressões; o povo sustentava, com o seu trabalho, toda a sociedade.No entanto, na realidade, os limites entre essas três ordens não eram tão rígidos como esta descrição faz supor. Entre um membro da baixa nobreza empobrecido e um burguês rico a diferença poderia não ser muito grande... Por outro lado, apesar da relativa rigidez houve sempre alguma mobilidade social: ao longo dos séculos a nobreza foi sendo renovada pela nobilitação de indivíduos de origem popular; e não é de excluir a ideia de que algumas famílias nobres, por empobrecimento progressivo, tenham perdido a sua ligação à classe de origem, integrando-se nos estratos superiores do terceiro estado — o povo.

Clero

O clero constituía uma classe aberta , na medida em que os seus membros eram recrutados entre o povo e a nobreza. Não era uma classe homogénea e há que distinguir entre o alto clero (bispos, abades e outros dignitários) e o baixo clero . Pela riqueza, pelo poder, pela consideração social e até pela origem, os altos dignitários da Igreja estão muito perto da nobreza, onde quase sempre são recrutados. Por sua vez muitos curas de aldeia mal se distinguem dos seus paroquianos, partilhando com eles a pobreza e a ignorância.Por esse motivo, as relações entre a hierarquia e o baixo clero nem sempre eram pacíficas. No entanto, os seus membros tinham em comum a função religiosa. Constituía uma classe privilegiada : possuía isenção de impostos; regia-se por um direito próprio e tinha tribunais específicos; possuíam direitos sobre certos estratos populares na área sob seu domínio.Pela natureza das suas funções constituíam a classe mais culta , a única sistematicamente alfabetizada, o que explica que a cultura literária da Idade Média seja marcadamente religiosa.O seu poder tinha uma origem divina; por isso, o clero resistia ao poder régio e, por vezes, tendia a suplantá-lo. Em Portugal, por exemplo, o rei D. Sancho II foi afastado do trono por interferência directa do Papa, tendo sido substituído pelo irmão, o Conde de Bolonha, com o nome de Afonso III. Este episódio, aliás, está na origem de um número substancial de cantigas de escárnio e maldizer, como a seu tempo se verá.

Nobreza

Ao contrário do clero, era uma classe fechada , visto que a condição de nobre herdava-se com o nascimento — era nobre o filho de nobre. No entanto, o rei podia nobilitar membros destacados da burguesia, como forma de recompensar os seus serviços.Também não era uma classe homogénea . No século XII existiam ricos-homens , infanções e cavaleiros . Dois ou três séculos depois continuamos a encontrar nela estratos diferenciados, embora com designações diferentes: vassalos do rei , cavaleiros e escudeiros .Era também uma classe privilegiada : possuía isenção de impostos e direito próprio. O seu poder económico vinha-lhe da posse da terra e do domínio que exerciam sobre os servos, que deviam ao seu senhor trabalho não remunerado e o pagamento de taxas diversas.O desenvolvimento da economia mercantil, com maior circulação da moeda, e a transformação dos servos em homens livres, a par da progressiva divisão da propriedade pelos descendentes, foi debilitando o poder económico da nobreza, que procurava reagir, lutando pela manutenção e aumento dos seus privilégios, pelo casamento com membros da burguesia, ou pelo envolvimento em actividades mercantis, em princípio vedadas aos membros da nobreza.

Povo

Também não era uma classe homogénea . Os vilãos eram homens livres , mas entre eles havia os mais abastados, que tendiam pela riqueza e pelo comportamento a aproximar-se da nobreza, a que alguns chegaram a ascender, e outros que viviam pobremente. Uns e outros, encontramo-los, tanto no campo como na cidade.Os servos (ou semi-servos) não tinham o mesmo grau de liberdade dos vilãos. Estavam na dependência de um senhor, nobre ou religioso, para o qual tinham de trabalhar. À medida que os séculos passaram os servos foram ascendendo à condição de homens livres, engrossando as fileiras dos vilãos.Na sociedade medieval, os escravos foram sempre em número reduzido . Basicamente este grupo era constituído por cativos de guerra (mouros).

Letrados

Distinguem-se pela sua formação literária . Quase sempre oriundos da burguesia (a camada superior do povo) desempenham na sociedade tarefas especializadas para as quais adquiriram formação específica: físicos (médicos), boticários, tabeliães... Muitas vezes esses letrados eram membros do clero.Pela sua formação, ocupavam frequentemente posições importantes da administração régia.